quarta-feira, 13 de abril de 2011

Coisas que me acontecem

 

 

alcantara (93)

Perdi o barco que faz o transporte para Alcântara, ele sai muito cedo às 7h da madrugada, quem me conhece sabe o quanto eu amo acordar cedo, mas nesse dia corri ,cheguei lá às 6h55, mas já estava lotado. Tinha um catamarã que sairia  uma hora depois. Fui conversar com o dono do barco para ver se iria a vela ou com o motor de popa de 25 HP.
Conversa vai e vem, me informou que ia velejando. Me convenci e embarquei, não antes de contar que também velejava e que morava num veleiro e patatipatata (mea culpa -  falo muito mesmo).
Depois que saímos do porto e o barco pegou velocidade o comandante me chamou e me deu o leme e disse o rumo, ‘ali naquela ilha mais alta’.
A vantagem que na Baia de São Marcos sempre tem vento na mesma direção - través -  e a correnteza forte da maré vazando seus 6m.
Quando o comandante sumiu pra dentro do barco, houve um silêncio e desconforto geral, uma passageira pegou a direção do barco. Todos se olhavam e havia um burburinho no ar.
Levei o barco por meia hora,  que  planava, e eu me divertia.
Então devolvi o  leme para o dono do  catamarã e ouvi um suspiro coletivo... morri de rir!

3 comentários:

CASO SERIO disse...

Isso mesmo sua danadinha! Desfrute, deleite-se, desfrute, assim deve ser a maneira de devorar o prato da vida!!!!!

Eu mesma disse...

Sergio
Foi ótimo ter lido seu livro antes de ir para o maranhão, aproveitei muito as dicas de alcantara, barrerinhas, rio novo, tutoia e o delta do parnaiba.
Bons ventos meu amigo
Chris

A onde o vento me levar disse...

concordo em gênero, número e grau com o Sergio, a vida está aí para ser saboreada a cada instante, bjs